5 coisas que você não percebeu, mas estão colocando sua escola em risco - Ateliê Urbano
 

5 coisas que você não percebeu, mas estão colocando sua escola em risco

escola

5 coisas que você não percebeu, mas estão colocando sua escola em risco

Não dar a devida atenção à manutenção da estrutura escolar pode colocar sua escola em risco.

Gerir uma instituição de ensino não é tarefa fácil. Os cuidados e a atenção são divididos por temas variados: controle e gestão de equipe, dedicação aos alunos, supervisão do andamento da proposta pedagógica e desempenho dos alunos e… manutenção da estrutura física.

Este último item costuma tirar o sono dos gestores, já que engloba assuntos totalmente fora do universo da educação e que precisam de uma mão de obra que muitas vezes não é tão especializada quanto deveria.

Bem, quando falamos em estrutura física em escolas devemos pensar em detalhes (nem sempre tão pequenos) que podem causar graves acidentes e que devem ser olhados sempre com muito carinho.

Para facilitar a vida dos gestores elencamos aqui os 5 principais itens que não podem ser ignorados e que podem colocar a sua escola em risco. Vamos lá:

1. Instalações elétricas.

Muitas vezes nos preocupamos com o que está aparente e esquecemos de atentar ao que fica escondido dentro das paredes. Este é o caso das instalações elétricas.

A cada dia o número de aparelhos elétricos e eletrônicos vem aumentando e sem perceber eles são incorporados às escolas sem que seja feita uma revisão da entrada do quadro elétrico e da carga que o imóvel suporta. Um exemplo bem comum disso são os aparelhos de ar condicionado, que pedem uma instalação especial, e que nem sempre é executada da maneira adequada.

Outra situação muito comum é a locação de um imóvel que visualmente está ótimo, entretanto tem fiação antiga ou poucas tomadas. E dá-lhe extensões, os famosos “benjamins” que se proliferam, e essas adaptações podem causar curtos circuitos e princípios de incêndio.

escola risco

Finalmente, é importante atentar para o estado em que se encontra o quadro de entrada. Não adianta ter toda uma fiação nova se a fonte que alimenta tudo isso está ruim, antiga ou não suporta uma sobrecarga.

Uma instalação elétrica moderna e segura é a garantia contra incêndio.

 2. Escadas

Se há uma estrutura que pode se tornar uma armadilha dentro de uma escola são as escadas.

Diversas escolas funcionam em edifícios que foram adaptados para esta função e cujas as escadas eram existentes e não sofreram nenhum tipo de intervenção antes de a instituição iniciar seu funcionamento. Com isso algumas regras básicas para o projeto e construção destas estruturas podem ter sido ignoradas e elas podem estar totalmente fora da norma.

 

(COLOCAR UM DESENHO DA PROPORÇÃO CORRETA DA ESCADA)

 

Quem nunca subiu uma escada inteira sem dificuldade e tropeçou só no seu último degrau? Ou desceu a escada toda sem qualquer problema e no último degrau sentiu que seu pé não chegava nunca ao chão e acabou pisando em falso?

Estas duas situações são muito comuns e acontecem porque o primeiro ou o último degrau da escada foram feitos com uma altura diferente dos demais a fim de compensar um cálculo equivocado.

À primeira vista isso pode parecer uma bobagem, afinal é apenas uma questão de hábito. Quando passamos a utilizar aquele caminho todo os dias o nosso cérebro acaba por se “acostumar” e se adapta àquela escada.

Agora pense numa situação de pânico, em que é necessária a evacuação rápida do edifício. Certamente esta “bobagem” se transforma num problema enorme e que pode colocar muitas vidas em risco.

Outro detalhe muito importante nas escadas são os corrimãos. É muito comum encontrarmos corrimãos cujos desenhos não obedecem à norma NBR 9050 (a norma de acessibilidade). É muito importante que os corrimãos sejam de duas alturas, estejam em todas as escadas e rampas e sigam fielmente o desenho colocado na norma.

 

Novamente, se pensarmos numa situação de risco, os corrimãos devem oferecer segurança à pessoas com diferentes estaturas e diferentes condições de locomoção, de forma que todas consigam sair do prédio com calma.

Os trechos finais dos corrimãos devem ultrapassar em 30 cm o último degrau, e suas extremidades devem ficar bem próximas à parede, impedindo que numa situação de correria e pânico roupa e bolsas fiquem presas, e evitando acidentes graves.

 

escola em risco

Com estas dicas em mãos dê uma olhada mais cuidadosa nos corrimãos da sua escola e veja se são necessárias alterações. Faça isso o quanto antes e fique tranquilo.

3. Pisos

Quando falamos de pisos beleza é fundamental… mas segurança também.

Muitas escolas funcionam em prédios alugados, e é comum escutarmos que o custo para a troca dos pisos é muito alto e que fica complicado mudar o que já existe.

A troca de piso realmente pode implicar em uma obra chata, a qual a sua instituição não tem prazo nem verba disponíveis, pode atrapalhar a sua vida e te causar um transtorno pelo qual você não quer passar.

Então aqui eu coloco uma questão. O que é mais caro ou doloroso: fazer a troca do piso para algo que seja seguro e diminua sensivelmente o risco de acidentes, ou encarar uma multa pesada provocada por um processo movido por um pai cujo filho caiu e se machucou?

Isso é mais comum do que se imagina.

Se pensarmos em todos os ambientes da escola, aqueles que necessitam de maior atenção quanto à escolha correta dos pisos são as áreas frias (sanitários, vestiários, cozinhas, áreas de serviço, etc.) e as áreas externas (acessos, pátios, quadras, etc.).

Pelo menos nestas áreas não dá para economizar, então esqueça aqueles pisos que ficam em pilhas enormes do lado de fora dos homecenters naquela promoção incrível do final de semana!

E como escolher o piso correto?

O que determina se o piso é ou não antiderrapante é o seu coeficiente de atrito. A ABNT (Associação Brasileira de Normas técnicas) tem uma norma exclusiva para pisos, a NBR 13.817/1997. Nela estão todas as especificações possíveis e imagináveis sobre os revestimentos.

Já que estamos aqui para facilitar a sua vida, segue abaixo uma tabela que indica quais são os coeficientes de atrito exigidos para cada ambiente.

escola risco

Estes coeficientes estão indicados nas embalagens dos produtos e é fundamental que você se informe antes de fazer a compra e investir no produto errado.

Acidentes acontecem, é claro, anda mais quando falamos de crianças e adolescentes. O importante é que eles podem ser evitados, basta termos um olhar mais cuidadoso e prestarmos atenção aos materiais que escolhemos para revestimento de pisos das escolas.

4. Falta de acessibilidade

Há algum tempo uma gestora nos contou uma história que vale a pena reproduzir aqui.

Ela tem uma escola de educação infantil aqui em São Paulo que não era adaptada ao uso para todas as pessoas, ou seja, não seguia a NBR 9050/2015. A escola já tinha muitos anos e nenhuma supervisora havia solicitado alterações no espaço, então ela foi levando.

Um dia ela recebeu a visita de um pai de aluno portador de necessidades de especiais, que se locomovia com o auxílio de uma cadeira de rodas. Ele simplesmente não conseguiu conhecer a escola, ficou extremamente indignado com a situação, comunicou o Ministério Público sobre o ocorrido e este moveu uma ação conta a instituição.

Ele nem chegou a matricular seu filho na escola, mas o processo avançou e além de todas as modificações físicas exigidas por lei ela também teve que pagar uma multa muito pesada estabelecida pela justiça.

Se a escola dela não tivesse numa situação financeira controlada e ela não tivesse recursos, hoje a escola não existiria mais, simplesmente teria fechado as portas.

escola em risco

Não se adaptar à NBR 9050/2015 pode fechar a sua escola, além de fazer com que a sua escola se mantenha a parte do mundo da inclusão e da educação para todos.

5. Forros e telhados

Forros e telhados geralmente só chamam a atenção quando há um vazamento. De repente cai aquela chuvarada de verão e tudo fica alagado, e só então vem à lembrança aquela manutenção que foi deixada para depois.

Mas os problemas com estas estruturas podem acontecer em qualquer época do ano.

Forros de estuque são comuns em casas antigas, e quanto maior a idade do imóvel maior é o risco de desabamento deste tipo de forro. Se forem notadas rachaduras e um aumento da quantidade de pó no ambiente é preciso ligar o sinal de alerta. É preciso agir com rapidez e substituir o estuque por outro tipo de forro.

Os forros de gesso são bem mais resistentes (desde que sejam bem instalados) e o maior problema realmente é sua baixa resistência à infiltração de água. Goteiras e vazamentos do telhado causam danos irreparáveis à este tipo de forro.

Os forros modulares de isopor são bem comuns em escolas, entretanto não são recomendados por conta da sua baixa resistência ao fogo.

Nos telhados, os maiores perigos são estruturas deterioradas, sejam elas de madeira ou de metal. Enquanto as estruturas de madeira sofrem com a ação de cupins as estruturas metálicas podem oxidar com a presença de água.

 

As telhas quebradas ou deslocadas também são uma outra questão na manutenção dos telhados. Basta uma pequena falha na cobertura para que a água se infiltre e provoque danos em equipamentos e na instalação elétrica.

Finalmente o entupimento de calhas e coletores é mais uma dor de cabeça comum em escolas, principalmente aquelas que tenham muito verde em volta.

Todos estes problemas ficam “ocultos” e na correria do dia-a-dia nem sempre são lembrados. A melhor maneira de evitar todos estes contratempos e o surgimento de problemas maiores e que causem acidentes mais graves é a manutenção preventiva.

É preciso inspecionar os telhados, calhas, condutores e forros pelo menos a cada 6 meses, assim as medidas necessárias podem ser tomadas com antecedência.

Estes são os 5 principais itens que podem colocar a sua escola (e consequentemente seus frequentadores) em risco.

Evitá-los é simples: manutenção, escolha dos materiais corretos e atendimento às normas e leis de segurança vigentes.

Sabemos que manter uma escola em ordem e funcionando como deve ser não é uma tarefa simples e estamos à disposição para ajudá-lo no que for necessário.

Se você tiver qualquer dúvida pode nos enviar um email no atelieurbano@atelieurbano.com.br.

Nossa equipe está a postos para responder!

Ateliê Urbano
atelieurbano@atelieurbano.com.br

Unir criatividade, técnica e inovação em seus projetos é o sonho de todo arquiteto, e quando o Ateliê Urbano nasceu em 2003 era esse o nosso objetivo. Hoje nos sentimos realizadas em ver que nosso trabalho nos fez conseguir algo ainda maior do que o objetivo inicial. Hoje realizamos sonhos.

Sem comentários

Faça um comentário