O sucesso da Educação na Finlândia

O sucesso da Educação na Finlândia

Com um sistema educacional exemplar, a educação na Finlândia têm muito para nos inspirar. Para conhecermos mais sobre os conceitos que guiam esse país nórdico, aceitamos o convite do Instituto Ânima e da Finland University. O evento aconteceu no último dia 10 de junho, em São Paulo, e contou com a presença do C.O.O. na América Latina da Finland University, Jarkko Wickström, as professoras finlandesas, Milla Kinnunen e Kaisu MälkkiNa, e o professor universitário e escritor Leonardo Drummond.

Para entender por que a Finlândia merece tanto destaque, vale recorrer a um indicativo importante. O país está entre os 15 países mais bem avaliados no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA). As avaliações, que acontecem a cada três anos, abordam três áreas do conhecimento: Leitura, Matemática e Ciências, contando com a participação de alunos que estão na média de 15 anos de idade. Assim, desde quando foi inaugurado, em 2000, a Finlândia se mantém entre os países de destaque, ocupando pelo menos um lugar entre os 5 primeiros países de cada área.

Desafios de uma nação

Para chegar nesse patamar, os finlandeses precisaram superar muitos desafios. O primeiro deles foi a própria independência do país, que só foi possível após uma violenta guerra civil que dizimou mais de 37 mil pessoas. Depois ainda lutou com a União Soviética na Guerra de Inverno, em meados de 1940. Entretanto, com o país arrasado e o êxodo rural, os finlandeses apostaram todas as suas fichas na educação para recuperar a dignidade do seu povo. Quer um spoiler? A educação na Finlândia deu certo!

Os ensinamentos do suíço Johann Pestalozzi foram fundamentais para a criação do sistema de ensino finlandês. Segundo o pensador, o processo educativo deveria englobar três dimensões humanas, identificadas com a cabeça, a mão e o coração. Contudo, o que se espera é que a formação também seja em três esferas: intelectual, física e moral. O método de estudo deveria reduzir-se a seus três elementos mais simples: som, forma e número. Depois da percepção, viria a linguagem. Assim, com os instrumentos adquiridos desse modo, o estudante teria condições de encontrar em si mesmo liberdade e autonomia moral.

Valorização do professor na educação na Finlândia

Se no Brasil a Pedagogia costuma ser uma das últimas opções na carreira universitária, na Finlândia esse é um dos cursos mais concorridos. Por lá, a pedagogia é um campo de pesquisa independente com foco em olhar o ser humano. Assim, a valorização também acontece na remuneração desses profissionais, com salários que chegam até a 3.500 euros. Também, vale lembrar que todas as escolas são públicas e o direto à educação é assegurado por lei a todos os cidadãos.

A carreira de professor tem uma formação específica, ou seja, um arquiteto ou um jornalista só podem dar aula se fizerem um curso de pedagogia e passarem por todo o processo de formação.

A primeira base curricular da educação na Finlândia foi criada em 1968 e, desde então, é revisada a cada dez anos para garantir a sua atualização. No início da década de 1970 a Finlândia iniciou uma grande reforma cuja base foi a formação de professores. Portanto, hoje, todos têm pelo menos a titulação de Mestre. Portanto, para entrar em sala de aula, não bastam os ensinamentos teóricos da Pedagogia. A Finlândia faz questão da lida prática para que as experiências sejam reais e efetivas.

A última reforma foi colocada em prática em 2016 e foram definidas algumas habilidades para a base, não conteúdo. Entre elas estão: aprendendo a aprender, que significa procurar, virar um ser ativo, ao invés de passivo, com responsabilidade; multiletramentos, que inclui a leitura de todas as mídias, atuais e futuras; formação de cidadãos e convívio com a tecnologia.

Arquitetura escolar é ponto fundamental da Educação na Finlândia

Para garantir que todos esses pontos sejam valorizados, a estrutura física é muito importante no processo de aprendizado. Por conta disso, todos os ambientes são pensados de forma a estimular a curiosidade. Assim, também a construção do pensamento e o trabalho em grupo.

Dessa forma, ss escolas finlandesas ainda apostam no princípio do “open plan”, ou plano aberto. Assim, a busca é, essencialmente, por mais flexibilidade. Saem as tradicionais salas fechadas e entram os espaços multimodais, que se comunicam entre si por paredes transparentes e divisórias móveis. No mobiliário, sofás, pufes e bolas de pilates substituem as tradicionais carteiras com cadeiras.

 

Segundo Wickström, na Educação só existe processo – que você pode acertar e tentar construir uma continuidade ou não. “A nossa escolha foi construir esse processo e as avaliações internacionais mostram que alguma parte disso deu certo”, conclui.

Portanto, é uma boa inspiração para a educação brasileira e nós podemos começar a implantar esse modelo desde já.

Dessa forma, a arquitetura das escolas na Finlândia conversa com a proposta pedagógica desenvolvida no país. Ambientes que propiciem o aprendizado, agucem, assim,  a curiosidade e desenvolvam a criatividade são peças chave para a educação que olha para o futuro.

E a sua escola, para onde tem olhado? Já pensou em utilizar a arquitetura para valorizar a sua escola? Vamos transformar a sua escola juntos?

O que que a Educação na Finlândia tem?

Saiba mais sobre o o trabalho do Ateliê Urbano e como podemos transformar a arquitetura de sua escola.

Que tal marcar para conversamos um pouco mais? Que tal ter uma escola mais próxima do padrão da Finlândia?  Entre em contato conosco, podemos transformar esse desejo em realidade.

 

 

 

Ateliê Urbano
atelieurbano@atelieurbano.com.br

Unir criatividade, técnica e inovação em seus projetos é o sonho de todo arquiteto, e quando o Ateliê Urbano nasceu em 2003 era esse o nosso objetivo. Hoje nos sentimos realizadas em ver que nosso trabalho nos fez conseguir algo ainda maior do que o objetivo inicial. Hoje realizamos sonhos.

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.