espaço pequeno em escola

6 dicas para aproveitar pequenos espaços na escola

Reformar pequenos espaços na escola pode ser uma grande dor de cabeça. Isso porque alguns gestores não sabem como aproveitar aquele ambiente da melhor maneira. Diante disso, escolher itens que mantenham a comodidade do espaço e ainda preservem a circulação de alunos e professores pode ser um grande desafio.

Mas calma, nada está perdido. Nestes casos, é preciso planejar e pensar na praticidade e funcionalidade, que pode ser feito através de mobiliários sob medida, cores e objetos de decoração.

Bom, para não te deixar na mão, neste post vamos dar 6 dicas para aproveitar melhor os pequenos espaços da sua escola.

1- Aproveite a estrutura disponível

Muitas escolas decidem reformar ou fazer adequações anos depois da sua construção final. Por isso, o espaço disponível para a criação de novos ambientes acaba sendo menor. Nesse caso, algumas instituições optam por anexar imóveis próximos, mas a maioria tem um orçamento reduzido e preferem utilizar os espaços disponíveis na própria escola.

Uma solução é seguir a estrutura do local, pois facilita o aproveitamento do lugar e permite ter uma área de livre circulação. Um bom exemplo é colocar painéis nas paredes com iluminação e móveis embutidos. Assim, é possível unir todas as vantagens de decoração e função de maneira prática e sem lotar o ambiente.

pequenos espaços podem ser bem aproveitados

 

2- Salas multiuso

Já para a otimização do espaço, as salas multiuso são uma ótima opção. Então, ao invés de ter mais de uma sala com objetivos diferentes e ocupando mais espaço, é possível transformar tudo em um único ambiente capaz de atender a todas essas atividades.

O mobiliário sob medida é um grande aliado desse tipo de sala, pois possibilita criar ambientes diferentes no local. Assim, é possível aproveitar espaços altos que seriam geralmente ignorados e transformar em um playground divertido, como na imagem abaixo.

como aproveitar pequenos espaços na escola

Brinquedoteca

3- Mobiliário sob medida

Falando neles, os móveis planejados ajudam a aproveitar espaços geralmente inutilizados. Quando falamos de pequenos espaços na escola, comprar móveis prontos pode não ser a melhor opção, pois pode contribuir para a desorganização do espaço.

Contudo, o clássico banco com gaveta ou baú ajuda a ter espaço de armazenamento e otimiza o ambiente. Esse tipo de mobiliário possui diversas variações, podendo ser tanto arquibancadas como um palco ou um banco. Nesse caso, cada instituição escolar que irá determinar a melhor solução para suas necessidades.

como reformar pequenos espaços na escola

Sala multiuso com palco

4- Portas retráteis

Uma solução que adoramos sugerir para os gestores, são as portas retráteis. Tanto para novos locais como para reformas, elas são uma ótima solução de otimização de espaço. Do mesmo modo que ela pode ser uma divisória retrátil, ela também pode ser uma parede ou armário com rodízios, podendo modificar a sala de diversas maneiras.

pequenos espaços na escola

Parede retrátil com rodízio

Muitas vezes, as escolas precisam de espaços amplos que seriam pouco utilizados ao decorrer do ano. Com isso, o uso de mobiliários móveis ou das portas retrateis, permite que o ambiente vire multiuso e seja muito mais aproveitado pela escola. O que é ótimo para otimizar a manutenção e usar todo o espaço que ela tem disponível, durante todo o ano letivo.

5- Pense bem nas cores

As cores também são um ponto bem importante. O uso de cores mais claras em um ambiente ajuda na sensação de amplitude, enquanto as escuras passam a impressão do ambiente ser menor. Por isso, aconselhamos que as cores mais escuras fiquem para detalhes de decoração e no mobiliário.

Outra dica é usar cores similares no piso e nas paredes, pois transmite uma sensação de continuidade no ambiente. Para áreas externas, o uso de uma cobertura transparente, além de conectar as crianças com a natureza, também ajuda na sensação de amplitude e acolhimento.

pequeno espaço sensorial

Espaço sensorial

6- Área externa

Ademais, muitos gestores acreditam que uma área externa pequena não tem muito a oferecer. Porém, o que determina isso é a maneira que o espaço será aproveitado. Definitivamente é possível fazer diversas intervenções nesses espaços.

Caso se trate de um playgorund, a escolha de um brinquedão alto otimiza o espaço de brincadeiras. Já no caso de uma área de berçário, o uso de um painel sensorial — onde os brinquedos estão fixos nas paredes — também ajuda a deixar espaço livre para a circulação das crianças.

solário

Solário

A diversidade de soluções para pequenos espaços em escolas é infinita! E agora, que você conheceu todas essas dicas, já pode começar a pensar nas soluções para aplicar na sua escola.

Confira também:

Dicas para aumentar a popularidade da sua instituição

Recepção escolar: a porta de entrada da sua instituição

Air conditioning decoration interior of room

O ar condicionado e a COVID 19

Esta pandemia tem feito com que nos preocupemos mais com os ambientes que vivemos. Depois da mudança da maioria da população para as cidades passamos a viver cerca de 90% do tempo da nossa vida em espaços fechados. Nem sempre estes espaços possuem a ventilação adequada, então começamos a nos perguntar: qual a relação do uso do ar condicionado e a COVID 19?

O sistema de ar condicionado surgiu no início do século passado para resolver um problema nas indústrias, em 1902 Willis Carrier criou um processo para condicionamento do ar e começou a sua expansão nos EUA.

A partir de então o sistema foi se popularizando gradativamente saindo das indústrias e chegando a cinemas, hotéis até que, na década de 50, invadiu as casas americanas. Na década de 70, os aparelhos de tornaram mais compactos, depois os carros passaram também a ter o condicionamento de ar e finalmente chegamos onde estamos hoje: qualquer lugar pode ter o seu sistema de ar condicionado de forma relativamente rápida e barata.

Toda esta evolução colocou o ar condicionado como salvador na climatização de ambientes, se está frio ou quente demais basta ligar o aparelho e resolver o problema. Entretanto, este sistema de climatização artificial distanciou o ser humano da ventilação natural e de todos os seus benefícios. 

Grandes edifícios passaram a ter janelas vedadas, espaços de compras não tem qualquer ligação com o exterior, espaços de alimentação se mantém com um clima sempre agradável a partir do uso de máquinas e até em escolas vemos a crença de que qualquer abertura para o ar livre não é assim tão necessária.

Enfim, passou-se a acreditar que colocando um aparelho de ar condicionado qualquer problema de incômodo ou má ventilação do ambiente estariam resolvidos e ele se tornou o melhor amigo da arquitetura ruim.

Repensando os espaços após a pandemia

Bom, tudo isso parecia funcionar muito bem até que chegamos ao momento atual, uma pandemia nos tem feito repensar toda a forma como vivemos e nos questionar sobre o que seria um ambiente saudável. Quando falamos em instituições de ensino estes questionamentos têm gerado verdadeiro pânico entre todos da comunidade escolar. 

Será que as escolas que têm os seus ambientes climatizados artificialmente estão mais propensas a disseminar pelo ar condicionado o vírus do COVID-19? Há uma relação entre o uso destes aparelhos e a disseminação da doença? Como evitar que o ar condicionado seja um vetor de transmissão?

Estas são algumas das perguntas que recebemos. Resolvemos pesquisar para encontrar respostas seguras que sejam embasadas em fatos e sirvam como auxílio para mantenedores nesta nova fase que suas escolas viverão.

Contamos com a ajuda de um especialista no assunto, o engenheiro Murilo Jarreta que atua com projetos de instalações de ar condicionado, inclusive para unidades de saúde como clínicas e hospitais.

Fonte da imagem: Vetor ar condicionados

O ar condicionado pode espalhar o COVID-19 ?

Por se tratar de um vírus novo ainda não há, até o momento, uma comprovação científica sobre isso. Há algumas pesquisas neste campo, mas nada conclusivo.

Esta suposição surgiu a partir de um estudo feito por cientistas chineses depois que pacientes de uma mesma família foram contaminados num restaurante em Wuhan (você pode ver um resumo do que aconteceu aqui). 

O que já se sabe é que o ar condicionado pode ser um vetor de transmissão de algumas doenças causadas por vírus, fungos, bactérias. Além de doenças disseminadas pela poeira como gripes, alergias, asma, renite, amidalite e um tipo de pneumonia conhecida como “doença do Legionário” que pode levar à morte.

Há algum sistema de ar condicionado contra o COVID-19 que seja realmente seguro?

De acordo com o engenheiro Jarreta, somente sistemas de ar condicionado com filtragem especial são eficientes contra a proliferação de algum tipo de contaminação. Para cada tipo de utilização do ar condicionado é recomendado um tipo de filtro.

Onde encontramos o sistema de condicionamento de ar mais eficiente é nos hospitais. Geralmente há um conjunto de ar condicionado central composto por uma série de filtros de aplicados de acordo com a hierarquia dos espaços. Desde salas de armazenamento de remédios até salas de cirurgia.

Em laboratórios de análises clínicas existem aparelhos tipo “split”, munidos de um filtro especial e uma luz ultravioleta interna que também tem uma boa performance.

Entretanto, os aparelhos do tipo cassete, split ou high wall que usamos mais comumente não possuem qualquer característica especial que garanta uma maior proteção.

Este tipo de máquina apresenta um filtro comum que retém, basicamente, partículas de poeira cuja dimensão é muito maior que a de um vírus como o da COVID-19.

sistema de ar condicionado

Há alguma maneira de deixar o aparelho que uso mais seguro?

Infelizmente os aparelhos comuns, comprados até em sites pela internet, e que a maioria das escolas utiliza, não podem ser adaptados para terem um melhor desempenho.

O maior problema deste tipo de aparelho é que geralmente são utilizados em salas totalmente fechadas e sem qualquer insuflamento de ar. Desta forma, o ar fica circulando por horas no mesmo ambiente sem que haja uma renovação.

Sistemas de ar condicionado central, bem maiores, possuem o insuflamento de ar em seu conjunto. Portanto, são mais seguros, mas este é bem mais caro e sua instalação requer bastante espaço.

Como utilizar o aparelho de ar condicionado com mais segurança?

Alguns cuidados podem e devem ser tomados para que aparelhos do tipo cassete, split e highwall sejam utilizados com mais segurança:

Faça a manutenção periódica dos aparelhos

Além da limpeza por fora da máquina, que deve ser feita pelo menos uma vez por semana. As evaporadoras precisam que seja feita a limpeza interna e troca de filtros a cada três meses, pelo menos. Esta periodicidade pode variar um pouco de acordo com o uso do aparelho e o local em que foi instalado, mas 90 dias é um prazo limite.

Esta “faxina interna” deve ser feita por uma empresa especializada que irá utilizar produtos específicos para esta função. O ideal é que a escola tenha um contrato de manutenção periódica e que o prestador de serviços forneça laudos que comprovem o bom funcionamento dos aparelhos.

Limpeza e troca de filtro no ar condicionado

Promova a troca de ar

Somente a limpeza dos filtros não garante a saúde dos ambientes, é imprescindível que haja a renovação de ar dos ambientes. É fundamental que haja aberturas que possibilitem a ventilação natural ou um sistema de insuflamento de ar mecânico. Este ultimo é mais caro e que envolve um projeto específico.

A OMS (organização Mundial da Saúde) afirma que a qualidade do ar em ambientes fechados pode ser até 5 vezes pior do que o ar externo. Esta baixa troca de ar em ambientes fechados e a consequente queda em sua qualidade pode causar a SED, Síndrome do Edifício doente, prejudicando, e muito, a saúde de seus usuários.

Utilize o sistema artificial somente quando necessário

Vivemos num país de dimensões continentais e sabemos que há áreas em que o calor pode se tornar insuportável. Entretanto, em muitos outros locais notamos o uso do aparelho de ar condicionado mais como um hábito do que exatamente como uma necessidade. 

Assim, sugerimos a diminuição do uso do aparelho de ar condicionado, sempre que possível.

Como é possível notar, os sistemas de ar condicionado exigem uma série de cuidados.

Sempre pregamos que princípios da arquitetura bioclimática bem aplicados em projetos de escolas, podem diminuir sensivelmente a utilização deste tipo de aparelhos.

Se sua escola possui ambientes totalmente selados, é hora de repensar este modelo e implantar soluções que privilegiem a ventilação natural. Promovendo a ligação dos ambientes externos com os internos e que tornem o seu edifício, e seus usuários, mais saudáveis.

Precisa de ajuda para romper com este modelo do edifício doente? Conte com nossa equipe, entre em contato conosco.

5-passos-para-aumentar-popularidade-da-sua-escola

5 passos para aumentar a popularidade da sua escola

Hoje nós vamos dar dicas práticas de como aumentar a popularidade da sua escola para iniciar 2019 voando!

Final do ano chegando e todos já estão ansiosos pelas férias. Enquanto todo mundo só pensa em se divertir, quem trabalha no ramo educacional sabe que o período de férias é quando são tomadas as decisões que vão impactar todo o próximo ano.

Sendo assim, nada melhor do que ter um roteiro com passos para aumentar a popularidade da sua escola. Afinal de contas, o novo ano está vindo aí e nele muitas oportunidades para o crescimento.

Hoje nós vamos conversar sobre 5 passos para você começar a colocar em prática hoje mesmo. Estamos certos de que eles irão aumentar a popularidade da sua escola. Acompanhe!

1º passo: cuide da fachada

Esse é definitivamente o primeiro passo. Não dá para prosseguir nas dicas se a sua fachada não colaborar com a experiência estética dos pais dos alunos. O que nós queremos dizer com isso? A fachada é a aparência da sua escola para o mundo exterior.

Por mais que todo o trabalho de marketing e das redes sociais estejam em dia, nada salva um prédio quando a sua fachada está descuidada. Lembre-se: os pais visitarão diversas escolinhas procurando o melhor lugar para os filhos.

A lembrança de um ambiente limpo, novo e moderno, será decisiva na hora deles tomarem uma decisão. Nós podemos te ajudar a reformar a fachada da sua escola!

2º passo: cuide das pequenas coisas

O que nós queremos dizer com as pequenas coisas? Um ventilador com defeito, uma janela trincada, uma lâmpada que não funciona direito. Todas essas coisas são exemplos de detalhes que podem causar uma impressão negativa.

Indo de carona com a primeira dica, cuidar das pequenas coisas é tão importante quanto cuidar da fachada. Nesse momento é preciso ser extremamente detalhista. Cada cantinho de mesa, cada porta descascada, cada parafuso fora do lugar; tudo deve ser notado e corrigido. Ou os pais certamente notarão e se lembrarão depois.

Sempre recomendamos que você tenha por exemplo uma Desentupidora 24 horas guardada na manga, você nunca sabe quando precisará. Aliás, se você trabalhar com um inspeção preventiva diminui muito a chance de parar a escola por problemas “pequenos”.

3º passo: invista nas redes sociais

Agora nós vamos conversar sobre como atrair clientes para a sua escola. Vocês estão presentes nas redes sociais? Uma boa dica é manter um blog com postagens e informações relevantes aos pais. Você pode dar dicas de como organizar os materiais dos filhos, ou os melhores produtos para tirar manchas do uniforme.

O importante é que a sua escola exista e seja ativa nas redes sociais. Afinal de contas, no mundo moderno, não estar presente nas redes é quase como não existir. O ideal é que sua rede social gere interesse e atraia pais para conhecerem seu espaço, método, diferenciais… E uma vez interessados, consiga mostrar que você é a melhor opção para o filho dele trabalhar.

Muitas vezes acreditamos que conseguimos fazer internamente todas as rotinas digitais, mas recomendamos muito a contratação de uma Agência de Marketing Digital com experiência e know-how para te ajudar na batalha das redes sociais e Google.

4º passo: revise sempre os seus contratos

Falando da parte mais técnica agora. É importantíssimo para uma instituição revisar regularmente os seus contratos, ou ao menos, ter um serviço jurídico confiável que faça isso. Você poderá encontrar oportunidades de negociação e chances de economizar dinheiro.

Diversos escritórios de direito educacional atuam no mercado nesse ramo e essa é uma prática que muitas vezes passa despercebida por quem cuida e gerencia escolas.

5º passo: invista na relação com os pais

Falando o português bem claro, quem são os seus melhores aliados? Evidentemente que são os pais dos seus alunos. Concorda?! Sendo assim, é importante que esses pais se sintam ouvidos, respeitados e acolhidos. Tenha o costume de fazer reuniões periódicas com eles, procure detectar problemas no funcionamento da sua escola e garanta que o relacionamento entre eles e a sua escola seja sempre o mais amistoso possível.

Festas no final do ano com brindes personalizados formam a receita perfeita para conseguir criar uma relação sólida de amizade. Aqui você pode investir em mochilas personalizadas, necessaiares, ecobags, pochetes… Além de tudo, os pais adoram tirar fotos e mais fotos para depois postarem nas redes sociais. É a sua escola ganhando o 3º passo de brinde.

É como nós dissemos no começo do artigo. As férias estão chegando e, o que pode ser um descanso para muitas pessoas, é o período crucial para as escolas.

Com esses 5 passos simples você será capaz de aumentar a popularidade da sua escola e verá o resultado surgindo em pouco tempo.

Gostou da conversa? Acompanhe as nossas publicações, estamos sempre trazendo novidades e dicas. Até breve!

ideias-de-fachadas-escolares

Ideias de Fachadas Escolares que vão fazer você se destacar da concorrência

Estamos num mundo em que a imagem tem impacto direto sobre a decisão de compra dos clientes.

Numa escola essa primeira imagem é tida através da fachada e não se pode perder a chance de impressionar positivamente um potencial cliente.

Entretanto muitas vezes é difícil sair do lugar comum e inovar na fachada sem exagerar. Por isso separamos algumas ideias incríveis de fachadas de escola pelo mundo para você se inspirar.

Escola na Áustria

O primeiro projeto que escolhemos para mostrar aqui é o de uma escola na Áustria projetado pelo escritório Wiesflecker Architecture.

O prédio tem linhas simples e o que chama atenção é a parede de concreto que se assemelha a uma folha de papel amassada.

No projeto de ampliação da escola feito em 2009 o arquiteto criou um novo edifício e na fachada principal ele fez esta brincadeira. A “fachada de papel” fica voltada para rua e chama a atenção de quem passa.

Essa ideia muito simples não poderia remeter melhor ao universo da educação.

Jardim de infância na Eslovênia

É um edifício de estrutura muito simples, pré-fabricado e acabamentos internos de cores neutras localizado no meio de um jardim.

A fachada desta escola tem brises de madeira móveis que fazem com que a fachada seja “mutante”. De um lado os brises tem acabamento em madeira natural e do outro a madeira é pintada com cores variadas. A fachada se transforma de acordo com a posição em que estes brises são colocados.

Uma solução simples que serve para várias situações e cujo efeito é incrível.

Centro de cuidados infantis Giraffe

Este projeto mostra o lado lúdico que uma fachada pode ter.

Localizado na França, este edifício não é uma escola, mas também é dedicado às crianças. Trata-se de um centro de cuidados para crianças onde também existe uma creche.

O inusitado deste projeto se dá pela girafa que foi colocada no bloco da frente do edifício, bem próximo à calçada.

A girafa se torna um posto de atenção e referência dentro do bairro e torna o edifício conhecido no entorno.

Mas preste atenção, como podemos observar todo o restante do prédio é branco, sem muitos detalhes e o único ponto de destaque é a escultura da girafa (que inclusive dá nome ao centro clínico).

Jardim da infância no Japão

Mais um exemplo de como as cores podem ser utilizadas de forma inusitada.

Este projeto de um jardim de infância no Japão projetado pela arquiteta francesa Emmanuelle Moureaux tem fitas de cores vibrantes que foram colocadas em frente ao fundo branco e transparente do edifício.

Saber usar as cores fez com que elas não pesassem no conjunto. São 22 cores diferentes utilizadas nas fitas das fachadas, mas o conjunto é tão harmônico que nem parecem que são tantas.

Todos os trabalhos de Emmanuelle tem essa característica: o uso de muita cor de uma maneira suave.

Todos estes projetos fogem bastante do padrão de fachadas que estamos acostumados em ver no Brasil. A busca por referências fora do nosso país nos ajuda a ter diferentes ideias e criar fachadas de escolas mais criativas.

Gostou destas ideias?

Se você ficou com alguma dúvida ou quer saber mais sobre como a fachada da sua escola pode melhorar, fale com a gente!

7-truques-para-renovar-sua-fachada

7 truques para renovar a sua fachada e aumentar (e muito) o seu número de alunos

Todos os dias passamos por dezenas de estabelecimentos comerciais.

Durante os nossos caminhos diários alguns desses estabelecimentos nos chamam a atenção enquanto outros nós nem percebemos que existe.

Com a sua escola funciona do mesmo jeito.

E você já parou para pensar nisso? Você pode imaginar o quanto fachada da escola pode atrair olhares (e alunos) para a sua instituição? (acesse o nosso e-book de como tornar a sua escola mais atraente). E mais, você já se deu conta que a fachada da sua escola pode estar “espantando” novos alunos?

Assim como uma loja, um banco ou um supermercado a fachada da escola deve transmitir uma mensagem, um conceito.

É a primeira impressão que seu cliente em potencial tem de você e é a sua chance de se destacar da concorrência.

Como nem sempre há tempo hábil ou orçamento suficiente para grandes transformações fizemos este post com soluções rápidas e que você pode aplicar agora mesmo.

Com estas 7 dicas você conseguirá dar uma nova cara à sua fachada de forma ágil e com custo reduzido.

  1. Lavagem

Muitas vezes o problema das fachadas de escolas é um só: sujeira. Principalmente em grandes cidades, a fuligem gerada pela poluição deixa tudo meio cinza. Uma boa limpeza utilizando uma máquina de lavagem com alta pressão pode dar uma vida nova a muros e letreiros.

  1. Pintura

Uma nova cor pode mudar totalmente o visual da sua fachada e atrair muito mais olhares. É como mudar a cor do cabelo, a diferença não passa sem ser notada.

É importante escolher uma cor que converse com o seu logo e que faça parte do conceito da escola. Não exagere!

Outro detalhe importante: antes de executar uma nova pintura deixe a parede de base livre de rachaduras e fissuras.

  1. Troca de logotipo

Com a ação constante do sol e da chuva o logotipo da fachada da sua escola pode ficar desbotado, com as cores apagadas e sem graça.

Há ainda a possibilidade de as letras ou desenhos terem se soltado da parede e então o nome da sua escola fica “capenga” com uma sílaba inacabada ou com uma ilustração que falta um pedaço.

Tudo isso denota falta de manutenção e é péssimo para a imagem da sua escola.

Se você se viu nesta situação, está na hora de trocar o logo da sua fachada.

  1. Mudar o logotipo de lugar

Recentemente fizemos a reforma da fachada de uma escola e os gestores queriam que o logotipo ficasse num ponto do muro mais próximo à entrada dos alunos. Entretanto neste lugar havia uma árvore e um poste que prejudicavam a visualização da marca do colégio.

Mostramos através de uma fotomontagem o quanto seria melhor alterar o local do logo e então eles perceberam o quanto ficava difícil enxergar a marca no local que eles queriam.

Encontrar o local da fachada da escola onde o logotipo fica mais visível é um ponto de extrema importância e que pode você se destacar ou sumir frente aos concorrentes.

  1. Iluminação

De nada adianta uma fachada de escola linda que não pode ser vista tanto durante o dia quanto durante a noite.

Ao cair da tarde e durante a noite a fachada de escola bem iluminada se destaca no entorno. Muitas pessoas que estão voltando para casa ou passeando podem ver a sua escola nestes horários e então se interessar em conhece-la.

Este é o tipo de obra rápida que pode ter um efeito incrível na sua fachada.

  1. Jardins

Que tal um pouco de verde na sua fachada?

Não precisa ser uma árvore enorme ou forrar de grama toda a calçada. Falamos aqui de um jardim pequeno que pode trazer mais charme à fachada da escola.

Pense em pequenos canteiros junto ao muro frontal ou colado à guia da calçada com flores e bastante cor.

Vasos também são bem vindos. Hoje há uma infinidade de modelos de vasos, de diversos materiais, formas e tamanhos que podem acolher desde pequenos arbustos até árvores frutíferas.

  1. Crie um mural

Criar um mural de recados, exposição de trabalhos de alunos ou divulgação de festas e datas comemorativas pode ser uma forma de deixar a imagem da sua escola na cabeça de quem circula pelo bairro.

Mostrar na fachada da escola um pouco do que acontece dentro da instituição pode ser uma maneira de seu público conhecer mais do modo como vocês trabalham e de quais as atividades que os alunos desenvolvem.

Esta é uma maneira de atrais atenção pincipalmente de quem circula a pé pela região.

Aplicando estas dicas na fachada da sua escola, certamente você chamará muito mais atenção e conseguirá se destacar frente à concorrência.

Aqui no Ateliê nós adoramos criar fachadas de escolas com soluções criativas e cheias de criatividade.

Se você acredita que uma nova fachada é tudo o que a sua escola precisa e não sabe por onde começar, fale com a gente.

Mande um email para o atelieurbano@atelieurbano.com.br ou ligue pra gente no  11 3872 3701 e vamos conversar.

arquitetura-para-escolas

Arquitetura para escolas: Por que contratar um escritório especializado?

Ser especializado em arquitetura para escolas faz com que nós saibamos quais são as suas necessidade, gestor!

Vamos começar este post com uma história!

Imagine que você esteja convivendo com uma dor no joelho que não cessa. Ela começou com uma pequena pontada, mas com o passar do tempo foi se complicando e agora tem realmente atrapalhado a sua vida. Você já não consegue andar muito e subir uma escada se tornou tarefa dolorosa. No princípio você achou que era uma bobagem e tomou um remédio que tinha em casa. A dor passou e quando voltou já foi mais intensa. Depois você conversou com uma amiga que já teve um problema parecido e ela indicou uma medicação mais forte. Mas o alívio durou pouco e agora você tem que procurar um médico.

Mais do que um médico, você procurou um médico especialista. Aquele que conhece a fundo o seu problema e que sabe quais são as soluções viáveis para o seu caso específico.

Com a arquitetura escolas não é diferente

Assim como o médico especialista, o arquiteto que tem um nicho claro de atuação tem uma formação voltada à solução das dores daquele cliente. E é assim que atua o Ateliê Urbano, escritório de arquitetura para escolas. Desde o momento que decidimos que seríamos um escritório de arquitetura para escolas, começamos a mergulhar em todo o universo da Educação. Sim, porque o nosso trabalho muitas vezes ultrapassa a arquitetura para escolas.

Nós temos o dever de conhecer quais os rumos que toma a educação no Brasil e no exterior e estamos conectados a este tipo de informação o tempo todo. Estudamos linhas pedagógicas, estamos sempre em contato com profissionais da área e inclusive já realizamos eventos para fortalecer a troca de informações entre gestores.

Ser especializado em arquitetura escolar faz com que nós saibamos quais as necessidades de todo que frequentam a instituição

Em um espaço escolar, existem diversos tipos de necessidades e interesses, vindos de diversos agentes: gestores, funcionários, professores, pais e alunos, é claro! Cada um deles vê a escola de uma forma diferente e buscam nela coisas diferentes. É preciso conhecer cada uma destas necessidades e agradar cada uma delas, buscando aproveitar totalmente o potencial de cada escola.

Uma outra característica importante dos projetos de arquitetura de escolas são as várias normas e leis a serem seguidas. Sendo um escritório especializado em arquitetura escolar, nós direcionamos os nossos esforços para entender como toda essa legislação funciona e o que podemos ou não fazer, principalmente quando o assunto são as reformas.

Isso economiza um tempo grande de projeto, pois profissionais que não tem esse conhecimento precisam de um tempo de pesquisa maior e que muitas vezes não existe. Além disso não há o perigo de fazermos um projeto e ele não ser aprovado pelos órgãos competentes porque não há sanitários suficientes, porque as salas de aula são muito pequenas, porque o lactário e o fraldário dividem o mesmo espaço. Possuímos conhecimento sobre acessibilidade, item essencial para que uma escola exerça seu dever inclusivo. Apenas um arquiteto especializado possui conhecimento para realizar todas essas tarefas de uma forma correta e competente.

já fomos contratados para resolver estes erros e sabemos como é desgastante ter que gastar mais tempo e mais dinheiro num conserto de algo que foi mal planejado.

A vantagem de contratar um profissional especializado em determinada área é conhecer mais a fundo aquele mercado. Com o atendimento a escolas dos mais variados portes e em diversas localizações, fomos aprendendo como estes negócios funcionam. Isso auxilia na indicação da melhor solução para o cliente. Já nos deparamos com gestores que estavam em dúvida sobre se deviam abrir uma nova unidade, se deveriam ampliar o seu berçário ou se deveriam pensar numa nova estrutura para introdução do ensino médio. Em todas estas situações o conhecimento do mercado nos deu mais segurança para ajudar na tomada de decisão.

Arquitetura para escolas é a nossa paixão!

Nesta jornada descobrimos que trabalhar com educação é uma responsabilidade muito grande. Mas a nossa maior descoberta foi a de que a arquitetura pensada para o aprender faz parte de um universo muito maior. Fazemos projetos em que o foco é o desenvolvimento humano. Criar espaços deste tipo é um grande privilégio para nós.

Acreditamos que o que sai das nossas pranchetas (ou dos nossos computadores…rs), pode transformar a realidade em que vivemos. Muitas das nossas lembranças da época da escola estão ligadas aos espaços que um dia frequentamos. Muito do nosso aprendizado pode ser estimulado ou diminuído pelos espaços que a escola oferece.

Criamos escolas criativas, inovadoras e que ficam para sempre na memória dos alunos. São espaços felizes e lúdicos, de acolhimento, de amizades e de muito conhecimento. Essa é a parte do nosso trabalho que mais ficamos felizes em entregar. Entretanto sabemos que sem muito trabalho isso é impossível. Estudo e conhecimento sobre educação são a base do nosso trabalho.

Se você precisa de um olhar de um arquiteto especializado em escolas para a sua instituição, entre em contato conosco!

Telefone: (11) 3872-3701

Ou pelo nosso e-mail: atelieurbano@atelieurbano.com.br.

Será um prazer conhecer melhor o seu negócio e explorar seu potencial!

Abraço e até a próxima.

 

moveis-montessorianos

Ideias de móveis montessorianos para sua escola

Móveis montessorianos podem ser uma ótima ideia para a sua escola e para o desenvolvimento de seus alunos!

Você conhece os móveis montessorianos? Maria de Montessori era médica, mas foi na pedagogia que trilhou o seu caminho e deixou o seu legado. No início do século XX ela inovou com o sistema tradicional vigente até então. Pela primeira vez alguém pregava que a independência da criança, sua autonomia e capacidade de exploração são a peça central de seu aprendizado. O professor não era mais o centro.

Uma escola montessoriana é uma instituição centrada nas crianças, são elas que vão descobrir os espaços e utilizar da liberdade como ferramenta para se desenvolver.

Maria de Montessori criou todo um conjunto de brinquedos e objetos que fazem parte de sua proposta pedagógica. Para ela “A brincadeira é o trabalho da criança” e ela deve fazer o seu trabalho de forma autônoma, descobrindo as possibilidades e crescendo com as novidades que vão aparecendo.

Quais são os conceitos de uma educação Montessoriana?

  • Os brinquedos não devem brincar sozinhos, ou seja, as crianças devem interagir com eles e não ficar esperando que eles façam alguma coisa. Esqueçam os brinquedos a pilha ou eletrônicos.
  • As crianças têm que se movimentar e interagir, muito, com o ambiente.
  • O faz de conta faz parte da rotina das crianças e é muito estimulado.
  • As tarefas do dia-a-dia são fonte de aprendizado e cooperação mútua.
  • A integração entre os espaços é bem-vinda.

Com base em todos estes conceitos, selecionamos para você alguns dos principais móveis e objetos que não podem faltar numa escola montessoriana.

Brinquedos e material didático

  • Letras de lixa – material utilizado na alfabetização, com estas letras as crianças também aprendem as letras de forma sensorial com a utilização do tato.

móveis montessorianos

  • Alfabeto móvel – uma caixa de madeira com um nicho para cada letra do alfabeto. As consoantes e vogais tem cores diferentes. A criança pode manipular as letras e ir descobrindo como escrever.
  • Hastes vermelhas – material utilizado para mostrar o conceito de curto e longo de uma maneira sensorial.

móveis montessorianos

  • Quadro de divisão – este é um material para o ensino de matemática e mostra as noções básicas da divisão.
  • Escada marrom – material parecido com as hastes vermelhas, mas que trabalha o conceito de alto e baixo.

móveis montessorianos

  • Caixas de permanência – estas caixas são muito utilizadas com bebês a partir dos 8 meses e são um doa materiais mais conhecidos no método Montessori.móveis montessorianos

Estes são só alguns exemplos que coletamos de brinquedos e materiais didáticos, há muito mais para se mostrar.

Dentro do método Montessori os objetos do cotidiano podem ser utilizados como brinquedos. Fica fácil criar uma séria de atividades em que pratos, colheres, baldes e muito mais podem ser usados. Há um site brasileiro que comercializa muitos destes materiais, o Montessori Emporium.

Para quem quer ter mais informações sobre como utilizar estes materiais há vários canais no youtube, mas recomendamos o da professora Simone Clemens, que mora na Alemanha e é especialista no assunto.

Móveis e arquitetura

  • Estantes e murais: a sua altura deve acompanhar a altura das crianças. Desta forma os alunos têm a autonomia para retirar e colocar objetos nas estantes sempre que queiram ou seja necessário. Geralmente utilizamos madeiras ou cores claras em sua confecção.
  • Ambientes que remetam aos espaços de uma casa: os alunos aprendem fazendo atividades domésticas, como cozinhar por exemplo. Criar espaços que eles realizem atividades práticas é uma das características de uma escola montessoriana.
  • Berços: o método montessoriano defende que as crianças possam se movimentar livremente. Por conta disso os tradicionais berços não são utilizados. Colchões no chão funcionam como berços e dão todo o aconchego e segurança de que as crianças precisam.
  • Espelhos: a presença de espelhos em espaços montessorianos também é muito comum. É através do espelho que a criança começa a se reconhecer e a se entender como indivíduo. Eles devem ser colocado na altura do aluno e para os menores a presença de uma barra de apoio é uma ótima ideia.Um site brasileiro que desenvolve móveis montessorianos é o Cuchi.  As peças são lindas. Um projeto de arquitetura escolar Montessori deve ter em seu conceito algumas palavras chave: autonomia, liberdade e descoberta.

 

Se você quer começar uma escola Montessori e está perdido em como resolver a arquitetura e a decoração dos espaços fale com  a nossa equipe. O Ateliê Urbano está preparado para desenvolver seu projeto! Fale conosco pelo telefone 1138723701 ou pelo nosso email atelieurbano@atelieurbano.com.br.

Continue nos acompanhando e até a próxima!

plan-1859394_1920

Por que contratar um arquiteto? Confira 5 bons motivos

No Brasil temos a tradição da autoconstrução. Mas esse costume pode trazer uma série de malefícios na hora de realizar uma obra. Confira por que contratar um arquiteto.

Todo mundo tem aquele amigo que indica um empreiteiro “ótimo” que resolve tudo e dá “um monte de ideias”. Existem uma série de problemas nessa situação: muitas vezes o tal empreiteiro nem sempre tem toda esta experiência; não assume os riscos de que uma obra apresenta, pois atua num mercado informal; fatalmente sua obra irá durar mais tempo e ficará mais cara do que foi pensado inicialmente. Esses são apenas alguns motivos de por que contratar um arquiteto.

Este é um cenário comum e que é reforçado pelo desconhecimento. Muitas vezes as pessoas não entendem muito bem o que faz um arquiteto. Acham que custa muito caro de contratar e ficam na dúvida sobre se é este o profissional mais indicado para resolver os seus problemas.

Pensando em esclarecer todas estas questões fizemos este post com os 5 principais motivos do por que contratar um arquiteto. Vamos a eles:

  1. O arquiteto é um especialista!

Imagine a maior dor de dentes que uma pessoa pode sentir, numa situação dessas qual o profissional que lhe vem à cabeça? Um dentista, claro!

Você sabe que só ele pode dar um fim à dor que não lhe deixa trabalhar e que roubou até o seu sono.

Se você pretende construir ou reformar a situação é exatamente a mesma. Somente um especialista pode lhe indicar as melhores soluções e fazer com que você se sinta seguro.

O arquiteto é o profissional que reúne todas estas características e que consegue aliar a técnica e a estética. Afinal não basta ser bonito, tem que funcionar… Mas também não adianta funcionar e ser horroroso.

As soluções dadas por um bom profissional funcionam e agradam ao olhar. Por que contratar um arquiteto em uma reforma? Pois apenas um arquiteto tem uma visão global que impede que a sua reforma se transforme em um verdadeiro “Frankenstein”.

  1. Por que contratar um arquiteto é sinônimo garantia e segurança?

O arquiteto está habilitado a desenvolver projetos seguindo todas as leis e normas vigentes de acordo com o local em que será feita a obra.

É importante saber também que todo arquiteto profissinoal deverá emitir uma RRT (Registro de Responsabilidade Técnica). É um documento expedido pelo CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo) no qual ficam claros quais os serviços que serão prestados e sobre os quais haverá uma responsabilidade civil caso aconteça algum problema.

A partir do momento que você contrata um arquiteto responsável pela sua obra você tem a garantia de que o trabalho será executado dentro de padrões de segurança e terá toda a documentação que atesta isso.

  1. O arquiteto ajuda você a PLANEJAR

Imagine que você vai comprar um carro. Você pesquisa os modelos que se encaixam na sua meta de investimento, analisa os valores de IPVA e seguros, confere o tamanho do porta-malas, compara os itens de segurança, faz um “test drive” e somente depois você executa a compra.

Todo este processo faz parte de um PLANEJAMENTO voltado a um investimento importante e que é fundamental.

Se o assunto é um projeto ou uma obra o raciocínio deve ser o mesmo. Sem planejamento você se perde nas atividades e na ordem de importância das coisas.

O arquiteto é o profissional que te ajuda neste processo, que se inicia com o projeto. Logo após passa pela quantificação de materiais, criação de um cronograma de obras, contratação de mão de obra, etc, etc. Sem ele a chance de errar na hora da tomada de decisão é muito maior.

  1. O arquiteto gera economia de TEMPO e de DINHEIRO

Com o planejamento sua obra tem um prazo de execução menor.

No exterior, 80% do tempo de uma obra é gasto com o projeto e o planejamento e apenas 20% é gasto com a construção em si. Já no Brasil a situação é inversa.

Qualquer grande investimento demanda um pensamento cuidadoso. São cercados todos os possíveis problemas que possam surgir e agir quando há certeza quanto à melhor solução a ser aplicada.

Hoje, no nosso país, a média de desperdício numa obra pode chegar aos 30% , acarretando em um aumento no custo da produção em torno de 20%.

Pois é, estes números podem ser muito reduzidos com a escolha correta dos materiais, a contratação de mão de obra especializada e o controle das compras. Mais algumas funções que um arquiteto desempenha durante o gerenciamento da sua obra.

É ótimo saber o quanto você vai gastar, como vai pagar os fornecedores e quanto tempo será necessário para que a sua obra esteja concluída, não? Tudo isto pode ser feito através do gerenciamento, com a execução de cronograma de obra, planilha de pagamentos e comparativos de orçamentos entre os fornecedores.

Aqui no Ateliê temos todos estes serviços e trabalhamos junto aos clientes visando o emprego correto dos recursos disponíveis.

  1. O arquiteto fala a língua dos fornecedores

Muitas vezes você vai ao médico e não entende muito bem o que ele está dizendo, já sentiu isso numa obra também?

O arquiteto ajuda na “tradução” da linguagem técnica, explica o passo a passo da obra e facilita a conversa com os fornecedores. Ele é o intérprete do projeto e da obra, com que os clientes saiam da escuridão que é o início de uma obra e encontrem a luz no final do túnel.

Eu sou capaz de apostar que você já se viu numa situação em que esteve totalmente nas mãos do pedreiro ou empreiteiro. Sem saber o que fazer acabou acatando as sugestões dele, e no fim o resultado final não foi o esperado.

Uma equipe técnica de qualidade é capaz de afastar esta insegurança e gerar resultados surpreendentes.

Se você ainda ficou com alguma dúvida, nós estamos aqui para te ajudar. Envie sua mensagem para atelieurbano@atelierbano.com.br e responderemos com o maior prazer. Ficaremos felizes em te ajudar com as obras também!

Abraço e até a próxima!

Nubo

Escolas estrangeiras: o que elas podem nos ensinar?

O Ateliê Urbano sempre procura referências fora do Brasil. Estudar escolas estrangeiras nos possibilitam trazer para os nossos clientes soluções inovadoras, que surpreendam e que gerem o famoso efeito “UAU”.

Nestas nossas buscas, encontramos soluções incríveis em arquitetura escolar, e a maioria delas está intimamente ligada às transformações que os métodos de aprendizado têm sofrido na última década. Transformações ligadas principalmente ao avanço da tecnologia e sua entrada na sala de aula.

Você pode estar pensando que estas escolas estrangeiras fizeram modificações drásticas em seus espaços. E que para isso é necessário um investimento financeiro muito alto, fora da realidade das escolas brasileiras. Este post é justamente para te mostrar o contrário.

1- Salas de aula 

O primeiro espaço que tem sofrido grandes alterações dentro das escolas é a sala de aula.

Sim, aquele modelo do professor que fala e do aluno que escuta sem muitos questionamentos, está desaparecendo nas escolas estrangeiras.

E o que isso influi no projeto da sala de aula?

As salas hoje seguem a tendência de um layout mais flexível, onde as mesas possam assumir diferentes configurações.

Os alunos podem trabalhar sozinhos ou em grupos. Muitas escolas estrangeiras investem até em um mobiliário desenhado com exclusividade de modo a atender a esta nova demanda.

Este filme feito na Albemarle County Public School nos Estados Unidos mostra um pouco deste novo conceito de sala de aula.

À primeira vista o ambiente até parece meio caótico, mas ele conversa totalmente com a proposta da escola de deixar os alunos a vontade descobrindo qual o melhor local e forma de trabalho.

É claro que este modelo pode não funcionar em todas as escolas. Entretanto a nossa intenção aqui é mostrar como soluções simples, e móveis encontrados em qualquer escola podem proporcionar este tipo de experiência.

A grande questão é: se a sociedade mudou tanto em tão pouco tempo, porque as nossas salas de aula continuam com o mesmo desenho de 70 ou 80 anos atrás?

2- Pátios

Uma outra área que sofreu uma transformação significativa são os pátios das escolas.

Se antes as áreas externas das escolas tinham como única função a brincadeira (obviamente as brincadeiras são peças-chave no desenvolvimento dos alunos), hoje elas são espaços de investigação e conhecimento, verdadeira extensão das salas de aula.

Cada pedacinho de jardim pode se transformar num laboratório de biologia ou abrigar um projeto de matemática. Os pátios das escolas também são propícios para o ensino de educação ambiental e sustentabilidade.

É possível criar uma cisterna de coleta de água de chuva e até um centro de triagem de resíduos recicláveis, novamente com poucos recursos e muita colaboração.

Todas estas transformações impactam diretamente no crescimento intelectual e emocional dos alunos.

As escolas estrangeiras já descobriram ambientes que promovem a colaboração e a interatividade. E elas acabam por transformar crianças em adultos mais seguros e com mais consciência de seu papel na sociedade.

Os projetos de arquitetura escolar devem olhar para este novo mundo que vem surgindo.

Inovação e criatividade andam juntas. O papel do arquiteto é se utilizar destes dois conceitos para criar escolas que estimulem o aprendizado de seus alunos.

Aqui no Ateliê transformamos toda esta inspiração que encontramos nas escolas fora do Brasil em ideias possíveis para as escolas de nossos clientes. (confira aqui!)