Biofilia nas escolas, você sabe o que é isso?

estudantes andando ao ar livre, natureza

Biofilia nas escolas, você sabe o que é isso?

De tempos em tempos palavras da moda surgem no universo da arquitetura e invadem as redes sociais: apartamento garden, varanda gourmet, conceito aberto, arquitetura sustentável… Muitas vezes nos deparamos com estes termos sendo usados somente como ferramenta de marketing e então eles perdem totalmente o sentido de existir e não tem qualquer cabimento. Ultimamente uma nova palavra tem aparecido e chamado atenção: a biofilia, mas você sabe o que é biofilia nas escolas?

Vamos começar do princípio. 

No último século a população mundial vem migrando do campo para as cidades. De acordo com dados da ONU, cerca de 55% da população mundial já vive em áreas urbanas, até 2050 este número deve atingir a marca de 70%. Com isso temos o afastamento do ser humano dos ambientes naturais e o aumento do chamado “transtorno de déficit de natureza”.

Aliado a isso, passamos mais de 90% da nossa vida em ambientes fechados. Este número é altíssimo e pensando nisso é fácil concluir que precisamos cuidar melhor dos ambientes que vivemos: nossa casa, nosso local de trabalho, nossos espaços de entretenimento e nossas escolas.

Este estilo de vida tem criado a “Indoor generation”. O termo tem sido utilizado por estudiosos para definir crianças e adolescentes que cada dia menos tem respirado o ar puro, visto a luz do sol e mantido contato com o verde. 

Temos então uma receita bomba: aumento da população urbana + alta permanência em ambientes fechados = ausência de contato com a natureza, e o que esta equação pode nos causar?

De acordo com o pesquisador Richard Louv, criador do termo transtorno de déficit de natureza e que tem investigado o assunto desde a década de 90, a nossa vida moderna tem produzido uma geração de jovens e crianças com problemas de obesidade, hipertensão, depressão, transtornos de atenção e até problemas cognitivos.

Esta introdução é importante para que possamos voltar, então, à biofilia.

Biofilia vem do grego e significa literalmente “amor pela vida”, este termo foi popularizado pelo biólogo Edward Wilson em seu livro “Biophilia” lançado na década de 80.

Fonte da imagem: Amazon

Para Wilson, o ser humano tem uma relação inata com a natureza e este amor pela natureza é transmitido de geração para geração. Ou seja, a biofilia é hereditária, ela está nos nossos genes, portanto, precisamos dela.

Baseados no conceito desenvolvido por Wilson e impulsionados pelas descobertas feitas por Louv, arquitetos tem buscado incorporar em seus projetos conceitos da biofilia. Isto se dá a fim de aproximar o ser humano aos elementos naturais.

E como isso se aplica no ambiente escolar? Como usar a biofilia nas escolas?

Trouxemos aqui algumas diretrizes que podem ajudar a sua escola a ter um ambiente mais humano, mais ligado à natureza e que, certamente trará muitos benefícios à sua comunidade.

1. Utilização de materiais naturais

Fonte da imagem: Archdaily – Escola Infantil Beelieve

Quando aplicamos materiais que remetem à natureza em ambientes fechados trazemos a sensação de acolhimento e de pertencimento ao espaço.

Geralmente a madeira é o primeiro material que nos vêm à cabeça. Isso porque sua aplicação é versátil (revestimentos de pisos, paredes, forros ou execução de móveis), além de ser um material comumente usado na construção civil e ao qual já estamos muito acostumados.

Entretanto, há outros materiais que podemos aplicar nas nossas escolas, como as pedras. Existem inúmeros tipos de rochas no mercado e elas podem ser utilizadas tanto em ambientes internos quanto em externos, em pisos ou revestimentos de muros e paredes.

O bambu é um outro exemplo de material que podemos incorporar nos projetos de escolas. Ainda pouco utilizado no Brasil, o bambu é muito comum em obras na Europa e na Ásia. Por ser um material de renovação rápida o bambu tem sido muito utilizado como alternativa à madeira, inclusive em estruturas de edifícios e é muito valorizado na biofilia.

2. Presença de água nos espaços

Esta nem sempre é uma solução de biofilia fácil de adotar, mas é possível pensar em algumas alternativas.

Um aquário pode ser uma saída para quem tem pouco espaço. Ele pode estar na área da recepção ou em algum espaço comum em que haja bastante circulação de pessoas.

Uma cortina de água também é uma ótima alternativa. Além de ocupar pouco espaço, a circulação de água cria sons que remetem ao relaxamento. 

Para quem tem mais espaço, espelhos d´água ou pequenos lagos se mostram muito eficientes, além de propiciar o equilíbrio da umidade do ar, há a oportunidade de criar um microclima com animais, como peixes e tartarugas, e promover a interação das crianças com estes.

3. Ventilação natural

A ventilação natural é uma das premissas da arquitetura bioclimática. Já falamos de sua importância nos artigos sobre a pandemia do corona vírus (você pode ler aqui) e ela retorna neste artigo sobre a biofilia.

Com o tempo fomos substituindo as aberturas para o exterior por sistemas de ventilação mecânica em quase todos os edifícios que frequentamos, nas escolas isso não é diferente.

Ambientes sem troca de ar com o exterior propiciam a contaminação do espaço por fungos e bactérias (veja este artigo que escrevemos sobre o uso do ar condicionado) e facilitam a proliferação de doenças. 

Além disso, as janelas são a passagem que nos conecta com a percepção da temperatura externa, a intensidade do vento, o ruído dos pássaros, ou seja, promove a integração do dentro com o fora e mostra a todos a presença de vida.

Fonte da imagem: Archdaily – Escola Infantil Beelieve

4. Iluminação natural

Também sempre reforçamos por aqui a importância da iluminação natural no ambiente escolar. 

Dentro do conceito de biofilia, a iluminação natural nos permite observar a passagem do tempo, a identificação da mudança de horário durante o dia e a percepção da transformação da intensidade da luz durante a passagem das horas.

Esta também é uma forma de se conectar à natureza de uma forma mais sutil, mas muito eficiente e que traz a compreensão inconsciente do ciclo do dia.

5. Integração com o verde

Talvez este seja o ponto mais óbvio e mais importante dentro da biofilia para as escolas: a incorporação de plantas ao desenho do espaço. Além de aumentar o verde na escola, estas ações atraem pequenos animais (pássaros, joaninhas, borboletas,etc) que pode gerar um pequeno e rico ecossistema.

Esta integração pode acontecer de diferentes formas:

Criação de jardins

Qualquer pequeno espaço do terreno pode ser transformado numa área verde, o importante é o aproveitamento máximo deste ambiente e a escolha de espécies que terão bom desenvolvimento naquela área.

Melhor aproveitamento dos pátios existentes

Se a sua escola já tem áreas abertas que tal crescer o seu potencial de ligação com a natureza? Além do aumento do número de plantas, certamente a diminuição e substituição de pisos impermeáveis também é uma ótima alternativa.

É possível trocar parte daquela grande camada de concreto por areia, pedra, terra, cascalho, grama ou forrações que façam com que seus alunos tenham percepções de diferentes texturas e um ambiente muito mais rico para ser explorado.

Nos parques infantis a utilização de brinquedos de madeira é bem-vinda. Um terreno com pequenos obstáculos como morrotes ou tocos de madeira podem propiciar uma vivência mais intensa do espaço.

Criação de uma horta ou de um pomar

criança plantando uma horta

O contato direto com a terra é definitivamente um grande diferencial que a sua escola pode oferecer. As crianças têm cada dia menos oportunidades de experimentar o cuidar, e ter uma horta pode propiciar isso. Sem falar que a horta serve como ambiente para aulas tanto de pequenos quanto dos maiores. Nela é possível ensinar a cultivar, ensinar alimentação saudável, ensinar biologia e até matemática. Portanto, é um espaço que, quando bem explorado, funciona como uma ótima sala de aula.

Implantação do verde dentro dos espaços

Esta é a decisão mais fácil de se tomar para implantar a biofilia na sua escola. Certamente em algum espaço da sua escola cabe uma parede verde, um canteiro, uma floreira, uma planta pendurada… Qualquer uma destas iniciativas já pode dar outra cara a um ambiente sisudo e sem graça. E o melhor, com um investimento relativamente baixo e rapidez de execução.

O impacto gerado pela biofilia nas escolas certamente será notado em seus alunos.  A aproximação com elementos naturais aumenta a concentração, promove a criatividade e ajuda no bem-estar de todos.

Acreditamos que a ligação das crianças com os ambientes externos é de extrema importância no seu desenvolvimento. Portanto, em nossos projetos valorizamos ao máximo as áreas externas e sempre indicamos que elas sejam utilizadas também como espaços de aprendizado.

Temos certeza que a biofilia é muito mais do que uma palavra da moda. Se você quer incorporá-la ao ambiente da sua escola, pode contar conosco.

Ateliê Urbano
atelieurbano@atelieurbano.com.br

Unir criatividade, técnica e inovação em seus projetos é o sonho de todo arquiteto, e quando o Ateliê Urbano nasceu em 2003 era esse o nosso objetivo. Hoje nos sentimos realizadas em ver que nosso trabalho nos fez conseguir algo ainda maior do que o objetivo inicial. Hoje realizamos sonhos.

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.